+55 61 3203-4541
·
administrativo2@qvqr.adv.br
·
Seg - Sex 09:00-18:00
Informações de Contato

Justiça absolve acusado de envolvimento em acidente de trânsito

Nesta segunda-feira, 11/3, o juiz substituto do Tribunal do Júri de Brasília absolveu, nos termos do art. 415, II, do Código de Processo Penal, Noé Albuquerque Oliveira da acusação a ele imposta, e desclassificou a conduta imputada a Eraldo José Cavalcante Pereira, para crime de competência diversa do Tribunal do Júri, com amparo no art. 419 do Código de Processo Penal.

Noé e Eraldo foram denunciados pelo Ministério Público sob a acusação de terem provocado a morte de Ricardo Clemente Cayres e Cleuza Maria Cayres, bem como terem tentado contra a vida de Helberton Silva Quintão e Oswaldo Clemente Cayres, no dia 30 de abril de 2017, na Avenida das Nações, via L4 Sul, em um acidente de trânsito. Para o Ministério Público, os acusados estariam dirigindo embriagados e em alta velocidade, assumindo o risco de produzir o resultado morte.

No entanto, o magistrado explica que, ao analisar o laudo de exame de local e o laudo de exame de veículo automotor, verifica-se que o veículo que estava sendo conduzido por Noé não teria colidido com qualquer dos veículos envolvidos nos fatos descritos na denúncia e sequer há evidências de que a presença do veículo tenha contribuído com a ocorrência dos fatos. Além disso, como explicitado (nos autos), não há elementos suficientes de que os acusados Noé e Eraldo estivessem, no momento dos fatos, praticando “racha”.

“Dessa forma, não há de que se falar em qualquer nexo causal entre as ações praticadas pelo acusado Noé com o resultado morte ou lesão corporal das vítimas, ou seja, não há como imputar autoria ou participação ao acusado”, afirmou o juiz.

O magistrado destaca, ainda, que o acusado Noé foi quem acionou socorro ao telefonar para a CIADE, tendo, inclusive prestado pessoalmente imediato socorro às vítimas, conforme se pode perceber de áudio, de imagem gravada durante o resgate e do depoimento oral prestados por testemunha perante a autoridade judiciária. “Assim, ante a ausência de autoria/participação, o acusado Noé Albuquerque Oliveira deve ser sumariamente absolvido”, determinou o magistrado.

O juiz ressaltou também que não há nos autos qualquer elemento capaz de desabonar a conduta social dos acusados: “Ao contrário, verifica-se que um é advogado e outro bombeiro militar do Distrito Federal e não apresentam qualquer conduta social negativa. Nos momentos antecedentes ao fato, os acusados comemoravam um aniversário entre familiares e nos veículos estavam acompanhados das respectivas esposas e um deles com o descendente e todos estavam com o objetivo de continuar as comemorações de aniversário em outro local da cidade”.

Para o magistrado, “essas circunstâncias objetivas, qual sejam, a conduta social favorável, a comemoração de um aniversário e a presença de familiares nos veículos, levam ao convencimento de que os acusados não poderiam estar indiferentes à vida de terceiros e consequentemente não poderiam se conformar com a morte das vítimas. Portanto, e em especialmente, verifica-se não restar comprovado o animus necandi do acusado Eraldo, o que estaria evidenciado pela dinâmica do evento e pelos depoimentos prestados”.

Neste contexto, o magistrado explica que deve-se aplicar a norma prevista no art. 419 do Código de Processo Penal, que permite a desclassificação da conduta para crime de competência diversa do Tribunal do Júri, caso a instrução preliminar não revele a materialidade delitiva ou indícios mínimos de ocorrência de crime doloso contra a vida: “Seguindo esta linha de entendimento e considerando sobretudo, não subsistir das provas indícios de ter o acusado agido com a intenção de matar, ou mesmo assumindo o risco, não pode o caso ser submetido à análise do Júri Popular, pois tal órgão só detém competência constitucional para julgar crimes dolosos contra a vida e os com eles conexos”.

Para o advogado e sócio do escritório QVQR Advocacia que atuou no caso, Alexandre Queiroz, a Justiça acolheu a tese da defesa com base na prova produzida nos autos. “Reitero o respeito aos familiares das vítimas, porém, neste momento, não posso deixar de externar a satisfação de reconhecer o acolhimento da tese defensiva com base na prova produzida nos autos, notadamente os laudos periciais”, afirmou.

“O processo penal serve justamente para apurar aquilo que, em um primeiro momento, é colocado contra uma pessoa. O que se espera da Justiça é que ela possa decidir com base naquilo que foi produzido sobre o crivo do contraditório, tentando reproduzir o que realmente aconteceu. É um caso em que nunca estamos felizes, porque morreram uma mãe e um filho, e por isso tratamos o assunto com muita cautela”, completou Queiroz.

Diante dos fatos, o juiz determinou também a devolução da CNH de Noé.

Cabe recurso da sentença.

Créditos: Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios. Link para: https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/noticias/2019/marco/justica-absolve-acusado-de-matar-em-acidente-na-l4-sul

Posts Relacionados

Deixar um Comentário

Ultimas Notícias

Lei dos planos de saúde celebra 26 anos de avanços e proteção aos beneficiários
29 de maio de 2024
Advogadas do QVQR marcam presença no fórum ABDIB 2024
24 de maio de 2024
QVQR Advocacia é o escritório mais admirado do Distrito Federal, na categoria full service, pelo terceiro ano consecutivo
17 de maio de 2024

Últimos Artigos

O perfil interdisciplinar e moderno da controladoria jurídica
20 de junho de 2024
Superior Tribunal de Justiça decide que delatado tem direito de acesso à íntegra do acordo de colaboração premiada
14 de junho de 2024
Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal determina suspensão de ação penal em razão de medidas cautelares deferidas por juízo incompetente
30 de maio de 2024

Ultimas Informações

QVQR Advocacia fica em primeiro lugar na categoria full service dentre os escritórios de advocacia do DF e em quinto lugar na avaliação Setor Econômico Financeiro dentre os escritórios de advocacia do Brasil, de acordo com a pesquisa Análise Advocacia 2020
23 de novembro de 2020
Advogado Alexandre Queiroz debate Investigação Defensiva em webinár que será realizado nesta quarta-feira
15 de setembro de 2020
Advogado Carlos Vieira concede entrevista exclusiva para a Revista Nordeste
14 de agosto de 2020

Sobre a QVQR

Nossa equipe conta com corpo multidisciplinar e qualificada de advogados e estagiários.

Tel : +55 61 3203.4541

secretaria@qvqr.adv.br Seg – Sex 08:00-18:00

Download da Apresentação

Apresentação Online